Inicial - Notícias -  Paralisação caminhoneiros: Nereu Moura quer que governo zere a cobrança de ICMS sobre combustível

 Paralisação caminhoneiros: Nereu Moura quer que governo zere a cobrança de ICMS sobre combustível

Foto: Sandro Nascimento/ALEP

O deputado estadual Nereu Moura ingressa na Assembleia Legislativa do Paraná com um documento a ser enviado à Secretaria Estadual da Fazenda para que seja zerada a cobrança do ICMS sobre o diesel das empresas de transporte rodoviário de cargas e caminhoneiros autônomos.
O parlamentar, que nesta sexta-feira (25) cobrou nas redes sociais um posicionamento da governadora Cida Borguetti sobre o movimento dos caminhoneiros que parou o País, lembrou que em 2013 o Palácio Iguaçu regulamentou a lei de isenção do ICMS no diesel para o transporte público urbano. “Sugiro que a governadora saia de cima do muro e tome medidas práticas como essa, para que consigamos chegar a uma solução. Como o Estado parece não (querer) encontrar o caminho, estou enviando essa petição”, declara Nereu Moura.
O documento assinado pelo deputado é destinado ao secretário estadual da Fazenda, José Luiz Bovo.
Na justificativa, o parlamentar coloca que “a solicitação formulada tem por objetivo contribuir com a resolução do problema instalado no país como um todo, principalmente no que diz respeito aos caminhoneiros autônomos e às empresas transportadoras de cargas rodoviárias; sujeitos aos constantes, abusivos e prejudiciais reajustes dos insumos ligados ao setor de transportes. O momento requer uma solução urgente para reduzir a carga tributária incidente, em especial, sobre os combustíveis, principalmente levando-se em consideração que mais de 60% de tudo o que é transportado no estado é por rodovia”, argumenta Nereu Moura.
A Fetranspar (Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Paraná), por exemplo, congrega mais de 20 mil empresas  que cortam as rodovias do estado movimentando mercadorias e bens em geral. O setor é um dos protagonistas na economia paranaense.
“Dependemos do transporte rodoviário para tudo; a alta no preço não afeta só a vida de quem é motorista, afeta a vida de todos”. conclui.