Inicial - Notícias - Nereu Moura propõe barrar supersalários no governo Beto Richa

Nereu Moura propõe barrar supersalários no governo Beto Richa

Do Blog Esmael Morais
Que tal ser secretário no governo Beto Richa (PSD), no Paraná, ganhando mais de R$ 100 mil por mês sem se preocupar com o teto constitucional que limita os salários a R$ 33,7 mil?

Sim, no Paraná isto é possível. Não é que o estado seja uma ilha de prosperidade para todos, mas neste estado do Sul os poucos marajás se dão bem. Veja o caso do secretário da Fazenda Mauro Ricardo Costa cujo salário de R$ 100 mil explode o teto do STF todo santo mês.

No Paraná um secretário de Estado pode furar mensalmente o teto do Supremo, mas, a título de comparação, um professor tem seu salário reduzido, o servidor leva calote em reajustes, os impostos são reajustados anualmente. Afinal, alguém precisa pagar a conta… os paranaenses, no caso.

Que mágica faz Beto Richa para pagar supersalários aos poucos marajás paranaenses? Ora, dando-lhes os penduricalhos como auxílio-moradia e jetons pela participação em conselhos de estatais como Copel (energia), Sanepar (água), Celepar (informática), Detran (trânsito), etc.

A crise, caro leitor, só existe para o servidor público e para o povo que carrega a máquina do estado no lombo.

É esta farra que o deputado estadual Nereu Moura (MDB) quer acabar ao propor um projeto na Assembleia Legislativa do Paraná que proíbe a acumulação do salário de secretário, R$ 23.634,10 mensais brutos, com jetons e penduricalhos.

Em março do ano passado, o deputado se surpreendeu com a quantidade de jetons que ganhava o titular da pasta da Fazenda. ““Eu achava que eram seis conselhos, mas são sete. As informações vêm em conta-gotas, mas o secretário-marajá tem salário superior a R$ 100 mil mensais”, disse Nereu.