Inicial - Notícias - Aprovado projeto do deputado Nereu Moura que garante exames para confirmação de câncer em até 30 dias

Aprovado projeto do deputado Nereu Moura que garante exames para confirmação de câncer em até 30 dias

 

A Assembleia Legislativa do Paraná aprovou o projeto de lei do deputado Nereu Moura que estabelece um prazo máximo de 30 dias para a rede pública de saúde  realizar exames complementares para confirmação ou não do câncer.

A proposta  passou na principal Comissão do  Legislativo em 15 de maio.A votação principal em plenário aconteceu nesta quarta-feira (20).  O texto foi protocolado na Casa há pouco mais de um ano. Após adiamentos, pedidos de vista e até pareceres contrários de parlamentares governistas, a iniciativa foi aprovada.

De acordo com o Ministério da Saúde, o câncer é a principal causa de morte em 40 municípios  do Paraná. Dados do Sistema de Informações de Mortalidade apontam que a doença responde por 19,2% dos óbitos no Estado. Conforme a comparação realizada com dados de 1996 e 2015, o número de mortes aumentou 94% no período. A alta assustadora está, também, relacionada às dificuldades enfrentadas pelo paciente para o diagnóstico e acesso ao tratamento.

Segundo o projeto do deputado, a contagem do prazo (30 dias) terá início a partir da data do laudo concedido por um médico que especifique as manifestações clínicas.

“A lei federal já garante o tratamento em até 60 dias para os pacientes com câncer, mas o acesso aos procedimentos depende, como demonstra a previsão legal, do diagnóstico firmado em laudo patológico. A proposição vai garantir que os exames que asseguram o tratamento tempestivo sejam realizados sem grande demora”, justifica Nereu Moura.

ONGs de prevenção ao câncer já tinham declarado apoio à iniciativa.

“O projeto do deputado Nereu Moura, quando convertido em lei, vai salvar muitas vidas”. A declaração foi feita pela presidente da ONG  ‘Mão Amiga’, Juceney da Caz, durante  audiência pública na Assembleia Legislativa.

“Pelo SUS, o diagnóstico demora muito tempo para ser liberado e quando isso acontece, em muitos casos, o câncer já tomou conta do paciente”, explica a presidente da Mão Amiga.